Arquiteturas Film Festival 2016 chega à ilha de São Miguel

— 28.11.2016


Nos dias 7 e 8 de Dezembro, Ponta Delgada recebe a extensão do Arquiteturas Film Festival de 2016. Este evento que decorreu em Lisboa de 12 a 16 de Outubro, chega agora à ilha de São Miguel através de uma parceria de 4 entidades, Delegação Açores da Ordem dos Arquitetos, Cooperativa Cultural Mala, Teatro Micaelense e 9500 Cineclube.

Na 4.ª edição do “Arquiteturas”, festival que surgiu em 2013 com o lema, “não há cinema sem arquiteturas” serão apresentados filmes documentais, experimentais e de ficção, inspirados pela arquitetura, versando sobre os mais variados temas como a reabilitação dos velhos centros históricos, a gentrificação dos bairros turísticos; a construção de novos sentidos de comunidade, a privatização do espaço público, a emergência de novas formas de intervenção urbana, etc.

Serão exibidos os filmes premiados no festival, que contarão ainda com a apresentação de Vera Beltrão, diretora de produção do “Arquiteturas” . Após o final de cada sessão um painel de comentadores constituídos por profissionais de diferentes áreas que irão apresentar a sua perspetiva sobre os filmes , animando o debate.

O evento arrancará no dia 7, às 10h30 com uma sessão de entrada gratuita, dirigida às escolas, nomeadamente aos alunos do 9.º ao 12.º , que será constituída pela exibição dos filmes “Penumbria”, “Cais” e “Em Breve Estarás Aqui”. A sessão será comentada pela Arquitecta Silvia Santos, mestre em reabilitação do património.

Às 21h30 do mesmo dia serão exibidos 3 filmes. “Penumbria” de Eduardo Brito, galardoado com o prémio de melhor filme português, contando com música de Joana Gama, pianista que atuou , no Teatro Micaelense, no passado mês de Maio. A curta-metragem conta-nos a história de um lugar inabitável.

“Casa ou A Máquina de Habitar” de Catarina Romano, curta-metragem de animação, vencedora ex-aequo do prémio do público, fala-nos da importância do espaço da casa para o indivíduo através de historias reais de pessoas que mudam de casa várias vezes por ocasião ou por necessidade.

O grande destaque desta sessão do dia 7 de Dezembro, vai para “Em breve estarás aqui” uma co-produção holandesa e portuguesa, realizada pelo italiano Fabio Petronilli, vencedora ex-aequo do prémio do público. Este documentário fala-nos dos prós e contras do turismo massivo em Lisboa, mais propriamente dos investimentos que começam a surgir no bairro da Mouraria e as suas consequências.

A exibição do filme irá com certeza suscitar um grande debate, tendo em conta o recente boom do turismo na Região e as expectativas de vários sectores da sociedade em relação à sustentabilidade desta atividade, no arquipélago.

Após a exibição dos filmes dar-se-à lugar ao debate entre os presentes contando com Alexandre Pascoal, director do Teatro Micaelense e Paulo Simões , director do jornal Açoriano Oriental como comentadores da sessão.

No dia 8 de Dezembro, a sessão que se realizará também às 21h30 , terá início com a exibição do prémio Novos Talentos, atribuído à curta alemã, DGLR de Antje Buchholz. Seguir-se-à a curta portuguesa, vencedora do prémio de melhor filme experimental, “Cais” de Marta Covita, um filme contemplativo e bem disposto sobre situações do quotidiano que têm lugar no Cais das Colunas, em Lisboa.

A finalizar será exibido o filme vencedor do prémio de melhor filme internacional que coube ao documentário de Sattel Volker, “A Cúpula”. Retrata uma casa sem paredes de suporte desenhada pelo arquitecto Dante Bini. Uma arrojada cúpula de betão, um espaço aberto - no seio das bizarras formações rochosas de uma acidentada costa de granito avermelhado, em Costa Paradiso, na Sardenha. A casa pertencia à actriz Monica Vitti e ao realizador Michelangelo Antonioni. A utopia de um conceito alternativo de viver parece flutuar acima da sua forma.

A sessão contará no fim com o debate animado pelo arquitecto Óscar Catarino e ainda por Celina Vale, docente do curso de Arquitectura da Universidade dos Açores.