Arquitectura em concurso, uma expressão das transformações do país

— 16.03.2016


Partindo da ideia de que o concurso é uma forma de competição democrática e a mais aberta à encomenda em arquitectura, a exposição “Arquitectura em concurso: percurso crítico pela modernidade portuguesa” traça uma genealogia dos concursos em Portugal.

O curador da exposição, Luís Santiago Baptista, refere que a leitura panorâmica com exemplos do passado permitirá perceber detalhes com que os concursos foram engendrados, os níveis de complexidade que ocasionaram e a leitura que proporcionam quanto às transformações do país.

Organizada em 12 núcleos (Representação; Instituição; Espaço público; Cultura; Património, Paisagem; Lazer; Infra-estrutura; Educação; Habitação; Cidade; e Território), a exposição percorre as propostas de pavilhões nacionais nos grandes certames internacionais, os programas públicos de investimento em equipamentos culturais e de transportes ou casos singulares como o plano de pormenor da nova aldeia da Luz, na sequência da construção da barragem de Alqueva.